quinta-feira, 19 de junho de 2008

ELEGIAZINHA

Gatos não morrem de verdade:
eles apenas se reintegram no ronronar da eternidade.
Gatos jamais morrem de fato:
suas almas saem de fininho atrás de alguma alma de rato.
Gatos não morrem:
sua fictícia morte não passa de uma forma mais refinada de preguiça.
Gatos não morrem:
rumo a um nível mais alto é que eles,
galho a galho, sobem numa árvore invisível.
Gatos não morrem: mais preciso– se somem – é dizer que
foram rasgar sofás no paraíso e dormirão lá,
depois do ônus de sete bem vividas vidas,
seus sete merecidos sonos.
(Nelson Ascher)

2 comentários:

Cláudia disse...

Adorei!!!! irão rasgar sofás no paraíso, rsrsrs... temos que pensar assim como na poesia.... quando os peludos se forem :( mas só daqui 30 anos, sim os meus bichanos vão entrar para o livro dos recordes!!!!)
bjs

Bine® disse...

Olá ! vi sua foto...e achei linda a sua tatuagem...igual a minha ...rs rs rs... show né...
Tb sou apaixonadamente louca por gatos...eles são demais né...

Abraços
Bine